sexta-feira, 3 de abril de 2015

PERÍODO INTEGRAL E EDUCAÇÃO INTEGRAL: uma breve, ativa e inacabada reflexão...

Compartilho com vocês um assunto, polêmico, no qual tenho experiência e trabalho atualmente. Pesquiso e estudo sobre educação integral, lançando-me aos poucos nesse emaranhado de descobertas, parcerias, batalhas etc.

Cresce cada vez mais, o número de instituições educativas que oferecem a opção de passar mais tempo na escola. E as escolas que não oferecem essa possibilidade, se têm espaço, estão interessadas.

A ampliação do tempo na escola, é uma demanda social e educacional. Muitas famílias trabalham o dia todo,  e é sabido que 4h30 não é um tempo de qualidade para desenvolver as crianças integralmente.

É preciso considerar que para o desenvolvimento saudável de uma criança, o tempo de qualidade que ela tem em casa com seus familiares é de extrema importância, também não adianta deixa-la somente na escola, pois ficarão lacunas que só o amor e a presença dos pais, são capazes de suprir.

Algumas escolas particulares e públicas desenvolvem o tempo integral com qualidade, mas o buraco é fundo...se a educação no geral não vai bem em meio período, quem dirá o dia todo. É preciso um grande investimento, uma reforma na educação pública e o mesmo para as escolas particulares, que continuam com uma pedagogia arcaica e tradicional, centrada no adulto e  no assistencialismo. A discussão vai longe...

A educação integral que atualmente é discutida, traz um novo conceito que quebra a ideia de ser um período onde as crianças são ocupadas com um monte de aulas extras, sem tempo para elas mesmas ou abandonadas em salas brincando livremente. Então qual é o conceito de educação integral? 


 " O  que é educação integral?

(...) Para educar um indivíduo é preciso envolver e articular diversos outros indivíduos, tempos e espaços. Afinal, somos todos sujeitos completos, totais, com as mais diversas características, necessidades e possibilidades de aprendizagem ao longo da vida.
Compreende-se, então, que:

- A educação é por definição integral na medida em que deve atender a todas as dimensões do desenvolvimento humano e se dá como processo ao longo de toda a vida. Assim, educação integral não é uma modalidade de educação, mas sua própria definição;


-    Espaços, dinâmicas e sujeitos são objeto de aprendizagem e também seu fim, o sentido próprio para o qual converge a construção de qualquer conhecimento. Assim, mais do que um conjunto de espaços a cidade é compreendida como território educativo e o binômio escola-comunidade é sua síntese.


Nessa perspectiva, todos – escola, família, comunidade e a própria cidade –, são educadores e aprendizes de um mesmo e colaborativo processo de aprendizagem. Fundamentalmente, a educação integral reconhece oportunidades educativas que vão além dos conteúdos compartimentados do currículo tradicional e compreende a vida como um grande percurso de aprendizado e reconhece a própria como uma grande, permanente e fluída escola."

Confira o texto (e imagem) na íntegra neste link http://educacaointegral.org.br/conceito/



Já trabalhei em diversas escolas, particulares e públicas, com diferentes propostas de período integral. E ano passado, ao receber o convite de implementar essa proposta, que tem como o eixo principal o brincar e o lúdico, nas séries iniciais do Fundamental I, fiquei muito feliz. Em 2014, atuei como professora, esse ano assumi a coordenação do integral e novos desafios me movimentam.

Durante o ano passado, pude observar o quanto as crianças das séries iniciais continuam com uma demanda grande em relação ao brincar e ao lúdico. Depois comecei a pesquisar sobre educação integral e me interessei muito.

Passei a refletir sobre a responsabilidade que carregava como educadora e a importância de reformular a ideia de período integral, tentando uma aproximação com a educação integral.

Esse diálogo com a educação integral é imprescindível. Se o desejo é uma educação de qualidade, é preciso estudar os documentos oficiais e verificar as possibilidades de dialogar o período integral da escola particular com o conceito de educação integral.


Algumas palavras-chaves que norteiam a proposta do Gracinha: brincar, ludicidade, protagonismo, observação, interesse, curiosidade, flexibilidade, contemplação, descobertas, investigação, liberdade, escolhas, coletivo...

Para um novo tempo e espaço de aprendizagem, precisamos de um novo educador, é preciso renovar-se, transformar-se, sair da zona de conforto.
Esse período, acontece no contra turno escolar na parte da manhã. A rotina é organizada para contemplar diferentes momentos de brincadeira e oficinas lúdicas ministradas pela professora da turma, com algumas aulas ministradas por especialistas. A alimentação, lanche e almoço, é fornecida pela escola.
O foco desse trabalho é observar tanto situações espontâneas, quanto propostas planejadas  para a partir dessa observação,  planejar as oficinas de acordo com os objetivos de cada uma e com o documento curricular. Propostas inusitadas são muito bem-vindas!