terça-feira, 9 de janeiro de 2018

LITERATURA INFANTIL: especial Diários de Pilar

*Nessa indicação selecionei a coleção Diários de Pilar publicados pela editora Pequena Zahar.



Conheci essa coleção na escola por meio de uma criança. Tinha acabado de voltar de viagem e achei interessante o Diário de Pilar, mas demorou para de fato eu ter contato com um exemplar. Agora tive a oportunidade de ler a coleção e quero contar um pouco do que achei das aventuras de Pilar na Grécia, na Amazônia, no Egito, em Machu Picchu, na África e o mais novo lançamento Diários de Pilar na China

O texto tem um estilo que permanece durante toda a coleção: ludicidade, humor, cultura e diversão. Trata-se de um texto literário em forma de um diário (até as páginas tem linhas), ou seja, um relato pessoal fictício que descreve os acontecimentos, sentimentos, ideias e muito mais sobre a personagem Pilar. Faz parte da narrativa a busca para entender o que aconteceu com seu pai, que sumiu desde quando era pequena e ninguém sabe ao certo o que houve.

As ilustrações são surpreendentes: chamam muito a atenção, despertam a imaginação e a criatividade. Têm muitas cores e detalhes, algumas imagens são desenhos, outras são fotos que retratam parte da cultura local, bilhetes, curiosidades e lembranças. São imagens ilustrativas e informativas, que complementam e enriquecem a narrativa. 

Se você já estudou ou visitou algum desses lugares onde Pilar vive suas aventuras, com certeza vai se localizar bem dentro da narrativa; se não estudou, tem grandes chances de querer saber mais sobre determinado local e sobre a próxima aventura de Pilar. As últimas páginas são cheias de curiosidades! Você vai se encantar!

A leitura flui com muita leveza e curiosidade, além de ser possível conhecer um pouco de cada cultura. O texto é de Flávia Lins e Silva, ilustrações de Joana Penna, da editora Pequena Zahar. 

Confira algumas páginas de cada livro no link abaixo de cada um deles.


Nas primeiras páginas, belas ilustrações, um um sumário cheio de aventuras e explicações. Logo depois, Pilar se apresenta e conta um pouco sobre suas favoritices, seu melhor amigo Breno, seu gato, sua família e como descobriu uma rede mágica que a fez aparecer na Grécia, para onde seu avó viajou. Por meio da mitologia, assuntos importantes são tratados com muita sensibilidade.

Nessa aventura, o gato ganha um nome que é Samba. Pilar conhece grandes personagens da mitologia grega e da história do país, além dos lugares incríveis no qual vive a aventura. 

Entre suas lembranças podemos conhecer o alfabeto grego, frases curtas úteis, cartas descritivas de alguns personagens da mitologia grega, instrumentos musicais, simbologias etc.

Ao final ela já nos deixa a dica de quais outros lugares sonha em viajar!

http://www.zahar.com.br/livro/diario-de-pilar-na-grecia



Ao abrir o livro, um convite delicioso: as primeiras páginas apresentam um pouquinho da cultura indígena.


Essa aventura começa com a criação da Sociedade dos Espiões Invisíveis, na qual desejam investigar porque uma colega de Pilar diz que ela é esquisita. Depois encontram uma possível pista do seu pai, correm para a rede mágica e vão parar no Brasil!

Em um barco Gaiola, observaram o encontro das águas do Rio Negro e do Rio Solimões, encantaram-se com a cultura ribeirinha e viveram experiências incríveis descendo o Rio Amazonas, passando pelo Rio Tapajós e a Floresta Encantada, até chegarem em Belém. 

Aprenderam muito sobre a fauna e a flora local e tiveram a oportunidade de vivenciar lendas indígenas e mitos brasileiros. Conheceram um grupo de Icamiabas e pintaram seus corpos com jenipapo. Será que dessa vez Pilar encontrará seu pai? Fim da investigação e de volta a sua casa ela encontra um bilhete surpresa em sua cama, a mãe apresenta um namorado e Samba desaparece.
Com um novo integrante na família, Pilar se adapta bem com a mudança de Bernardo, o novo marido da mamãe, para sua casa. Todos estão contentes!

Mais uma vez com desentendimentos entre seus colegas na escola, a menina fica brava, vai para casa, pula na rede mágica. Breno chega apressado e juntos vão parar no Egito. 

Em um sarcófago, salvam Tutancâmon, um faraó. No Vale dos Reis, pegaram carona com uma Fênix para se locomoverem até o Rio Nilo, ficam frente a frente com deuses e deusas, visitam as pirâmides, andaram de jangada, tapete mágico, camelo e muito mais. 

Conheceram plantas e frutos do deserto, diferentes espécies de escorpião, animais e muitas outras maravilhas da cultura egípcia. Entre magias, portais, templos e amuletos, se deparam com a mitologia egípcia durante toda a viagem. 

Pilar até recebeu um pedido de casamento! Ela também aprendeu um pouco sobre a escrita e a matemática. Ao término dessa aventura, há uma galeria de deuses e uma linha do tempo, dentre outras curiosidade.

http://www.zahar.com.br/livro/diario-de-pilar-no-egito




Mais uma aventura pela América do Sul, mas dessa vez no Peru!

Pilar estava um pouco encucada com a ideia de Samba ir morar em outro lugar por causa da sua asma. No meio dessa chateação o gato foi para rede e sumiu. Só tinha uma coisa a fazer: pular para rede mágica e girar!

Nas alturas das montanhas Peruanas, Breno e Pilar encontraram Samba e juntos viveram perigosas aventuras em meio a tanta natureza exuberante. 

Durante o percurso da trilha Inca, provaram folha de coca para se sentir melhor com a altitude, aprenderam sobre as histórias dos deuses, as crenças daquele lugar e sobre os Imperadores Incas; conheceram um Sacerdote, aventuram-se pela Cordilheira dos Andes e degustaram diversos alimentos, além de atraírem os pássaros com seus apitos até chegarem ao Machu Picchu. Lá exploraram tudo que puderam descobrindo muitas coisas interessantes sobre a cultura local.

E você sabe diferenciar uma Lhama, de uma Vicunha ou uma Alpaca? Conhece milho branco, amarelo, negro, avermelhado e mesclado? Você sabe a origem das batatas? Embarque nessa aventura e descubra!

http://www.zahar.com.br/livro/diario-de-pilar-em-machu-picchu



Mais uma vez, o danado do Samba dá início a uma nova viagem pelo mundo ao ouvir um barulho vindo da rede. Pilar adora as músicas, os instrumentos e a ginga da capoeira. E por meio de um som de agogô essa turma foi parar na África.

Fizeram muitas amizades e aprenderam a trançar os cabelos, a usar miçangas, conheceram o poder e as histórias dos Orixás, os tecidos, as festas, o idioma e muitas outras crenças e costumes do povo africano.

Se aventuraram em uma luta para proteger e salvar o povo negro de mercadores que os sequestravam para escravizá-los. 

Durante essa jornada Pilar e Breno carregaram potes de água na cabeça, se locomoveram em elefantes, participaram de um jogo de búzios, observaram máscaras esculpidas em madeira, experimentaram especiarias, salvaram diversos animais aprisionados, avistaram uma linda vegetação e seus animais típicos, visitaram países diferentes, ouviram instrumentos novos, conheceram rainhas e se divertiram muito! Até desembarcarem em Salvador e em um quilombo ser acolhida, junto com sua mãe. Pilar termina essa aventura namorando e com o próximo possível paradeiro de seu pai: China!

http://www.zahar.com.br/livro/diario-de-pilar-na-africa


Esse a maior novidade é o lançamento de Diários de Pilar na China!!! Confira o primeiro vídeo no canal do youtube:





Dessa vez, essa dupla escolheu o destino e se arriscou colocando uma bússola e um globo terrestre na rede mágica com a localização correta. E desembarcaram em uma festa esplêndida com a maior população do mundo: o Ano Novo chinês!

Se você conferiu o vídeo, Pilar já contou um pouquinho do que descobriu por lá. 

Será que essa é a última viagem de Pilar, Breno e Samba? 






Para saber mais...

Site da autora http://www.flavialinsesilva.com.br/pilar
Site da editora  http://www.zahar.com.br
Facebook https://www.facebook.com/DiariodePilar


quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

LITERATURA INFANTIL: indicações Brinque-Book

  Texto e Ilustração: Fabio Quinteiro

Que leitura deliciosa! Um livro que fala das cores e dos sentimentos com muita diversão.
Juju ganhou um livro sobre as cores e descobriu muito sobre seus significados. Ela tem uma coleção de chapéus e cada um deles representa um tema: pintora, esportista, mágica, chef de cozinha, bruxa e caipira. 
Junte-se a Juju e seus colegas e prepare-se para começar a enxergar as cores de um jeito diferente! 
Seu dia está um pouco desbotado? Uma leitura colorida te aguarda!


 Texto e Ilustração: Stephen Michael King
Tradução: Gilda de Aquino

O que fazer nos dias chuvosos? Alguns gostam de chuvas, outros não. E agora?

A tartaruga resolveu colocar a cara para fora do casco, como todos os dias de manhã, chamou o caracol e nada. Ela brincou, cantou, pulou, fez as acrobacias preferidas de seu amigo e nada. E mais dias de chuva vieram, até que a tartaruga teve um plano para fazer o caracol colocar sua cara para fora! E deu certo! Como será que isso aconteceu?

Boa descoberta!


 Texto e Ilustração: Hrefna Bragadottir
Tradução: Gilda de Aquino

Lívio é daqueles que quando entra em uma livraria, quer levar todos os livros  sobre para casa. Ele sonhava em estar em um deles!

Certo dia, ao sair de casa observou uma movimentação de bichos e um cartaz escrito "TESTE PARA PERSONAGEM", ele não perdeu a oportunidade e entrou na fila. Todos os animais já tinham experiência, menos ele, afinal que bicho era esse? Lívio é um....acharam ele bem esquisito e vou reprovado no teste.

Os colegas lhe deram conselhos sobre o que ele precisava ser para ganhar um personagem, mas Lívio não se encaixava em nenhuma das qualidades e desistiu. Mas será impossível? 

Confira a história até o final e para entender melhor observe a dica na última folha!

Lembre-se seja você mesmo!


 Organização: Bia Hetzel e Silvia Negreiros
Ilustração: Mariana Massarani

Esse é um livro alfabeto que apresenta as letras de forma lúdica e divertida. As crianças já mostram curiosidade pelas letras desde muito cedo, nessa obra é possível encontrar palavras que elas já conhecem e outras novas para ampliar o vocabulário. Inclusive se a criança demostrar muito interesse, um leitor mais experiente pode criar um alfabeto personalizado junto com a criança para ela ir falando palavras que começam com determinada letra e o mais experiente escrever até ela se arriscar a escrever sozinha. Como se fosse um alfabeto com as palavras do cotidiano e novas palavras descobertas em outras leituras.
Com muitas cores e imagens, a criançada vai adorar!

Ficou com dúvidas? Confiras as informações no final do livro sobre a origem do abecedário e seus usos.


 Texto e Ilustração: Fernando Vilela

Achei o título bem divertido! Como sempre as ilustrações desse artista são gravuras de encher os olhos de belezura.

Ao mesmo tempo que a narrativa trata da amizade e das diferenças, também apresenta os dinossauros do Brasil e suas características. Na parte dos ovos lembrei do patinho feio, depois alguns desentendimentos dão sequência a história e a questão das diferenças é tratada de forma bem espontânea: quem concorda fica e se mistura, quem não concorda vai embora e não se mistura. Tudo isso, até que novas gerações recomecem os conflitos.



 Texto: Heinz Janisch
Ilustração: Birgit Antoni
Tradução: Hedi Gnädinger

Foi assim que ele chegou ao mundo e exatamente assim que ele gosta ser. Cada um tem seu cabelo, seus olhos, seu nariz, seu nariz, suas orelhas, sua boca, seu pescoço, seus braços e mãos, sua barriga, seu bumbum, suas pernas, seu sorriso...inclusive os animais e você! Afinal nosso corpo serve para as mesmas coisas: proteger, ver, sentir, ouvir, alimentar, acariciar, sustentar, agarrar, saltar, limpar e alegrar.

Somos todos iguais e diferentes!


 Texto e Ilustração: Nicola O'Byrne
Tradução: Gilda de Aquino

Tédio, imaginação e um lobo? Será que o coelho vai conseguir sair dessa enrascada?

O lobo todo esperto se aproximou do coelho com um interesse em mente (você consegue imaginar qual era?).

O coelho suspeitou do lobo no início, mas depois gostou de usar a imaginação e ter um colega para brincar. O lobo muito esperto começou a história e foi direcionando as ideias do coelho até que...será que o lobo conseguiu engolir o coelho ou coelho é que deu um jeito nesse lobo espertinho?

A imaginação é algo maravilhoso! Você brinca, se diverte e ainda soluciona situações aparentemente sem saída! Saiba usá-la. Cuidado!

domingo, 5 de novembro de 2017

Um olhar sensível na prática com a primeiríssima infância: diálogos com a abordagem PIKLER.

Dr. Emmi Pikler
(1902-1984)

Pikler é o sobrenome da pediatra austríaca-húngara que criou a abordagem que também é conhecida pelo nome Lóczy, em Budapeste, devido ao nome da rua do Instituto onde aconteceu todo o trabalho reconhecido mundialmente.




O contexto histórico dessa abordagem é após Segunda Guerra Mundial, assim como outras abordagens e pedagogias surgiram na Europa. Em meio a devastação geral, a necessidade de se reerguer, se unir e criar novas perspectivas de sobrevivência e esperança para um futuro melhor. 

Confira esse documentário em espanhol (há imagens da abordagem, da guerra, dos orfanatos):




Nessa época Spitz, um psiquiatra com formação em psicanálise, criou o conceito hospitalismo (por volta de 1945), isto é, a falta de afeto e vínculo pode levar os bebês a morte, não basta apenas suprir as necessidades físicas de alimentação e higiene (pense nos orfanatos, a quantidade de crianças sem família nessa época), os bebês precisam de afeto e de interação; da relação dedicada com um adulto referência, seja a mãe ou outra pessoa que ocupe a função materna. Nesse mesmo contexto, em 1946, a UNICEF foi criada para cuidar das crianças vitimadas da guerra.

A abordagem da Dr. Emmi Pikler teve caminhos muito interessantes: de observações em um hospital e as primeiras ideias sobre o que uma criança pequena necessita para ter um desenvolvimento saudável, depois comprovar essa teoria passo a passo colocando em prática em sua própria família, para orientar pais como pediatra familiar.  Logo após, foi convidada a assumir um orfanato, atuou com formação de equipe e despertou o interesse das creches e outras áreas da saúde.

A riqueza está em oferecer o que há de mais humano: olhar, tocar, falar. Em considerar a criança pequena como uma pessoa, uma concepção que parece óbvia, mas que para o trabalho com bebês e crianças pequenas acontecia pouco. 

Um aspecto importante é que desde o início do seu trabalho a Dr. Pikler registrava e documentava suas observações. Podemos conferir toda a sua pesquisa e documentação de anos, nos seus livros, com fotos e desenhos, além dos vídeos.






Anna Tardos, psicóloga e diretora do Instituto. Filha e sucessora da Dr. Pikler.







Existem diversas redes espalhadas pelo mundo que se dedicam em oferecer formação e divulgar a abordagem Pikler, além de contribuir com quem busca informação. Alguns países que consegui pesquisar: Itália, Suíça, Holanda, Áustria, Reino Unido, Espanha, França, Alemanha, Nova Zelândia, Canadá, Estados Unidos, Peru, Equador, Chile, Argentina e Brasil.

O google é uma ferramenta incrível para encontrar vídeos, textos, fotos, reportagens, mas a maior parte do material está em outra língua. Temos pouco material traduzido para o português.




As minhas referências principais são as duas redes que já participei de cursos e o Instituto Pikler na Hungria:
  • Rede Pikler Nuestra América, formação em Buenos Aires;
  • Associação Pikler-Loczy na França, formação em Paris;
Além do meu primeiro contato com a abordagem que foi em 2013, pela OMEP, no 10o Encontro Internacional VID sobre a abordagem Pikler com a Anna Tardos. Atualmente, também estudo psicanálise, pois existe um bom diálogo com os princípios.

Com o foco no desenvolvimento sadio da primeiríssima infância (0 a 3 anos), essa forma de atuar com as crianças nos inspira e é possível abrir diálogos reflexivos com diferentes enfoques. Considerando a importância dos cuidados corporais, a motricidade livre, o vínculo com o adulto, as iniciativas da criança, a interação entre os bebês, a rotina, o espaço, os materiais para brincar, a observação e o registro. Promovendo um olhar mais sensível em relação a maneira como vemos e atuamos com os bebês e as crianças pequenas, são muitas as oportunidades de repensarmos a nossa prática. São nos detalhes como, por exemplo, a forma de pegar a criança, trocar, alimentar, interagir e se comunicar que se faz a diferença para construção de um indivíduo seguro e confiante.

Não tem como não considerar a nossa cultura e implantar uma receita, seria um erro, o que colocamos em prática são recortes possíveis, algumas mudanças. A abordagem é complexa e precisa de muito estudo, o trabalho educativo pode tê-la como referência.


No documento curricular do Peru já há citação da abordagem como referência www.repositorio.minedu.gob.pe, a pedagogia Waldorf também se inspira e nos Estados Unidos a abordagem RIE (Resources for infant educarers), criada por Magda Gerber tem um diálogo bem interessante.
www.rie.org/educaring/ries-basic-principles/


Em resumo, os princípios fundamentais dessa abordagem são:

  1. Valorizar as iniciativas próprias da criança (autonomia);
  2. Relação privilegiada entre o adulto e o bebê (criança pequena), principalmente nos momentos de cuidados corporais;
  3. Movimento livre, ambiente favorável, exploração e brincadeira espontânea.

Porém a partir desses princípios, conceitos menores, mas não menos importantes nos orientam.

É uma abordagem que quebra paradigmas, nem todas as pessoas se afeiçoam, se interessam ou concordam com a concepção, mas o que vale é conhecer, estudar, refletir e verificar se de fato vai ao encontro com o que você acredita.

Acredito que a abordagem contribui muito para a formação dos educadores:
  • o cuidado que educa fica muito claro, 
  • o papel do educador como sensível, observador, reflexivo, que documenta, cria mais condições favoráveis e faz menos intervenções diretas;
  • conhecimento específicos e das capacidades dos bebês e crianças pequenas
  • educador tranquilo, paciente, afetuoso, compreensivo, interessado pelos detalhes do cotidiano;
  • consciência de que atuar com essa faixa etária é uma grande responsabilidade;
  • é uma profissão restrita, não é para qualquer pessoa;
  • necessita de estudo e reflexão contínua,
  • engloba temas das diversas áreas como psicologia, psicanálise, pedagogia, psicomotricidade, pediatria, psiquiatria, etc;
  • considera a necessidade de um sistema triangular de apoio e suporte ao trabalho desenvolvido (o educador também precisa ser cuidado);
  • e almeja a valorização do profissional (importância e papel primordial para o desenvolvimento da criança);
  • Dentre outros aspectos...

Fique de olho na página do www.facebook.com/culturainfantilearte , pois divulgo formações sobre cursos, em SP e em outras cidades e estados, nesse perfil.


segunda-feira, 23 de outubro de 2017

LITERATURA INFANTIL: indicações Ciranda Cultural

*Todos os livros são com letra maiúscula, ótimos para pequenos leitores em fase de alfabetização.

  Texto: Melanie Joyce
Ilustração: Kirsten Collier


Quando se pensa em uma história de raposa e galinha, já é possível prever o que acontece. E foi assim que me surpreendi!
Algumas galinhas estão sumindo do galinheiro e a raposa tem fama de comer galinhas, mas ela conta ao fazendeiro que é vegetariana e tenta descobrir o que está acontecendo para deixar de ter essa fama.
Quando a raposa tenta salvar algumas galinhas para o fazendeiro, ele acorda e pega a raposa no flagra. O que será que vai acontecer?


Bom desfecho!



Texto e Ilustração: Alison Brown


Edgar era uma menino sonhador, queria desvendar o mundo e viver aventuras incríveis. Certo dia, encontrou um parceiro que aceitou acompanhá-lo, era um cão.



Eles brincaram bastante e viveram momentos inesquecíveis, mas quando o levou para casa, mas a mãe não quis ficar com o cãozinho, não havia espaço na casa e o seu parceiro teve que ir embora. Porém, no outro dia ele voltou e assim várias vezes ele ia para algum lugar e voltava. Até que teve uma grande ideia e solucionou o problema da falta de espaço para ele naquela casa. Qual será a solução do cãozinho? Será que deu certo?


 Texto e Ilustração: Kristyna Litten 


Pipa é uma galinha diferenciada, todo mundo fala sobre ela. Isso porque a galinha sismou que queria enxergar no escuro, curiosa e cheia de ideias não desistiu.

Muito interessada no assunto, pesquisou e encontrou algo que poderia lhe ajudar. Encontrou um livro antigo sobre histórias de galinhas e descobriu um alimento capaz de fazê-la enxergar no escuro. 

Ninguém acreditava nessa insistência dela, afinal galinhas não enxergam no escuro e pronto! O que será que aconteceu quando todas as galinhas se reuniram para comer um banquete e anoiteceu?

 Texto: Norbert Landa
Ilustração: Tim Warnes


Essa é uma história sobre amizade. 

O urso e o coelho faziam tudo juntos, inclusive moravam na mesma casa. Gostavam da companhia um do outro. Até que encontraram uma coisa brilhante na frente de casa e brigaram por causa do que cada um achava daquilo. 

Voltaram para casa e bravos tentaram dormir, mas não conseguiram, então ao mesmo tempo tiveram uma ideia: falar com o amigo.

Eles se encontraram na frente de casa e resolveram o problema. Como será que entraram em um acordo?

Achei interessante para começar uma conversa com as crianças sobre pontos de vista, sobre cada um vê de uma forma.

domingo, 15 de outubro de 2017

INDICAÇÃO DE LEITURA: especial mês dos professores



Autora: Maria da Graça Souza Horn
Editora: Penso

Conheci o trabalho dessa autora por meio do livro "Sabores, Cores, Sons e Aromas - A organização de espaços na educação infantil" da editora Artmed. Na época me ajudou muito a repensar os espaços que oferecia as crianças. 

Dessa vez, Horn volta com esse tema, mas focando no brincar e na interação entre as crianças, considerando as orientações  das Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil em relação  a organização dos espaços e dos materiais, ao protagonismo e aos espaços internos e externos das instituições. O trabalho com a autonomia, o mobiliário específico para a faixa etária (0 a 5) e contato com a natureza fazem parte dessa proposta.

Um livro essencial, que incentiva a transformação, desperta a reflexão, sugere melhorias e oferece uma base teórica consistente que pode nortear as escolhas pedagógicas. Se as crianças aprendem o tempo todo com tudo que está ao seu redor, o espaço tem um papel fundamental como terceiro educador.

É uma leitura gostosa que flui sem a gente perceber. As imagens ilustrativas complementam o texto e auxiliam o melhor entendimento dos materiais, equipamentos e móveis.

Com certeza depois dessa leitura você vai olhar diferente para os espaços da escola e se questionar, não será mais o mesmo!

Boas descobertas!


Autora: Stela Barbieri
Editora: Blucher

Esse livro faz parte de uma coleção chamada InterAções. Gosto bastante da forma com a autora expande nosso olhar, para além das práticas na escola, para a vida. Esse título fez parte da bibliografia da minha pesquisa de monografia sobre arte e primeiríssima infância.

A obra nos questiona, faz retomarmos memórias, reativarmos nossa sensibilidade, refletirmos sobre como vemos a arte na infância, como nos relacionamos com a arte nas nossas vidas, como é a nossa prática na escola, etc. Se a arte está na vida, está em tudo, ficam algumas perguntas:

Será que a arte contemporânea pode ajudar a entender? 
Qual é o papel do professor? 
O que deve ser contemplado no ensino da arte? 
O que é experiência? 
O que é estética? 
Como acontece o processo de criação? 
As crianças se relacionam com os espaços, os materiais, a natureza, o corpo, como tudo isso se relaciona com a arte?

Achei a leitura muito enriquecedora, abre janelas, ilumina o olhar, confirma concepções e nos faz avaliarmos a própria prática: para onde queremos ir e como podemos. As páginas são cercadas de relatos, citações, referências, imagens, conceitos e provocações.

Boa transformação!


Organizadora: Judit Falk
Editora: Omnisciência

Fiquei muito feliz quando a tradução desse título ficou pronta. A Rede Pikler Brasil se dedicou muito para essa concretização; fiz parte da Rede, mas não consegui acompanhar o grupo. É uma alegria ter essa contribuição!

Meu primeiro contato com a abordagem foi aqui em São Paulo, depois em Paris e em Buenos Aires. Atualmente realizo formação de professores em diálogo com os princípios piklerianos e sempre indico essa leitura para o grupo de participantes.

A abordagem Pikler é muito singular e focada no desenvolvimento infantil de 0 a 3 anos. Como foi criada em outro contexto, é importante considerar a cultura de cada país. É uma inspiração que nos faz olhar para os bebês e crianças pequenas de forma mais sensível, são princípios que podem nortear a nossa prática até o termino da educação infantil.

O livro conta com seis temas esclarecedores sobre como é o trabalho nessa abordagem em relação as atividades dirigidas, a autonomia e/ou a dependência, o desenvolvimento lento ou diferente, os cuidados corporais e a relação adulto/criança. 

Temos pouco material traduzido para o Português, então aproveitem a leitura.

Bom diálogo! 


Autora: Jussara Hoffmann
Editora: Mediação

Esse tema sempre aparece durante os processos de formação de professores. Muitas das reclamações são porque o docente acaba se sentindo preso em olhar o que a criança sabe ou não sabe, consegue ou não consegue, pois mesmo com as observações diárias algumas aprendizagens não são contempladas, outro aspecto é a produção de relatórios muito extensos. Cada escola avalia à sua maneira, com diferentes técnicas e instrumentos avaliativos. Então, diante desse fato:

O que é avaliar? Por que avaliar?
O que envolve o processo avaliativo?
O que é uma concepção mediadora de avaliação?
Qual é o papel do professor?
Como desenvolver um olhar mais sensível e reflexivo sobre a ação pedagógica?
Qual é o melhor instrumento de avaliação?

São essas e outras questões como observação, registro, mediação, diálogo, reflexão, planejamento e currículo, dentre  ações subjacentes que estão articuladas nesse livro como orientação e precisamos estudar para que a avaliação não seja um processo descolado da prática cotidiana e se torne meramente uma tarefa a cumprir.

A avaliação é fundamental para o desenvolvimento de cada criança e para o professor repensar sua prática, promovendo a formação do mesmo.

Bom encontro!

Organizadoras: Marcia Aparecida Gobbi e Maria Letícia Barros Pedroso Nascimento
Editora: Junqueira & Marin


Cultura, diversidade e educação são temas que me encantam! Precisam de muito estudo e reflexão, de serem incluídos urgentemente na prática pedagógica. 

Nessa obra podemos conhecer melhor a perspectiva de um campo chamado Estudos Sociais da Infância. Essa seleção de textos é fruto de pesquisas e ensaios apresentados em um seminário, que revelam práticas e reflexões nos convidando a um olhar mais apurado em relação a essa temática. Está dividido em três partes: infância, diversidade cultural e formação docente.

A escola é um espaço privilegiado para tratar desses assuntos, as crianças estão em relação com o outro e suas diferenças o tempo todo. Aproveitar o conhecimento e a cultura das famílias e dos funcionários, pode enriquecer muito o trabalho. É importante envolver a todos.

A sociedade tem discutido e levantado muitas questões sobre racismo, preconceito, feminismo, machismo, gênero, sexualidade, religião, formação familiar, arte e muitos outros aspectos, que estão sendo tratados com violência, discriminação e censura. A  formação docente gera a evolução das competências do professor, mas no caso dessas temáticas o autoconhecimento se faz igualmente necessário. Ser capaz de lidar com essas situações na escola e garantir ser um adulto de referência ética na vida dessas crianças, não é uma tarefa simples.

Boa reflexão!

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

O BRINCAR LIVRE NA ESCOLA: um desafio no ensino fundamental I.




Como a gente olha para o brincar? Como a gente entende?
O que o brincar livre nos diz sobre as potências infantis?
Como deixar e observar essa relação espontânea do brincar?
Por que brincar livre?
Como é esse corpo brincando? 



A intenção não é ter respostas prontas, mas despertar uma reflexão de acordo com minhas concepções e experiências. Também contei com o apoio dos vídeos da série "Diálogos do Brincar" do Instituto Alana.

Diariamente observo as brincadeiras que acontecem nos momentos de espontaneidade, principalmente no parque. Tenho paixão pelo que acontece nesse espaço!

Trabalho como professora do período complementar no  ensino fundamental I, as crianças chegam com 5/6 anos e permanecem até os 10/11 anos, com agrupamento multietário. E foi a partir dessa experiência, de dar mais espaço para o brincar livre e suas manifestações, que percebi o quanto o jogo simbólico está presente nessa faixa etária, mas nem as próprias crianças se permitem ser crianças, é um trabalho de bastante incentivo para se permitirem e aprenderem a lidar cada vez mais com as escolhas, a autonomia e as relações.

Basta oferecer-lhes tempo, espaço e materiais potentes, para se mostrarem criativos, enérgicos e cheias imaginação. Viva a potência infantil!

O brincar é um direito que deve ser garantido:

Brincar é um direito de todas as crianças porque é vital para o seu desenvolvimento e bem estar. Isto é reconhecido na Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança (artigo 31) e no Estatuto da Criança e do Adolescente do Brasil (artigos 4o e 16), como o direito das crianças ao brincar, recreação, lazer, arte e atividades culturais. Ambos os documentos afirmam muito claramente que o brincar não é "opcional" ‐ é essencial na vida das crianças. Se as crianças vivem ao máximo e crescem para ser o melhor que podem ser: física, emocional, social, intelectual e esteticamente, elas precisam de oportunidades para brincar e também para lazer e descanso. Elas precisam de espaço para apenas "ser" a cada dia. 
As crianças têm o direito de participar das decisões que lhes dizem respeito (Artigo 12 da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança – UNCRC). No brincar, isto inclui fazer escolhas sobre o tipo de brincadeira da qual gostariam de participar: com quem, onde, com que e por quanto tempo elas gostariam de brincar. As crianças também podem dar opinião sobre a forma como elas gostariam que seus ambientes de brincadeira fossem projetados e construídos e fazer parte desse processo de planejamento desde o início.                  (Fonte: http://www.a-chance-to-play.de/fileadmin/user_upload/a-chance-to-play/ACTP_Brasil/1312_guia_brincar/ACTP_direito_de_brincar_GUIA_PRATICO.pdf)



Ao brincar as crianças se mantêm concentradas, negociam, representam diversos papéis, se expressam com múltiplas linguagens, interagem entre diferentes idades e fazem escolhas com autonomia. Criam enredos, personagens, cenas, geringonças e construções. Elas se mostram envolvidas, detalhistas e preocupadas com a estética da brincadeira. Algumas vezes, demoram demasiadamente para organizar, decidir papéis e regras. Fico angustiada de pensar sobre os recreios de 20 minutos...




Observo crianças que gostam de transitar e misturar-se entre as brincadeiras que acontecem em agrupamentos de todo tipo e várias ao mesmo tempo. Às vezes alguma opta por brincar um pouco sozinha (montar um lego, ler, descansar, ficar sem fazer nada) e não vejo como um problema. Tédio e ócio tem poder criativo, a criança aprende a solucionar problemas, a fazer escolhas, a tomar decisões, a pensar, a criar a partir do que vem de dentro dela, aprende a conhecer a si mesma. Se o adulto conhece bem essa criança, saberá o que é necessidade e o que é algo que precisa de um apoio.




Anoto, registro, estou sempre preparada, pois o espontâneo não se repete igual. Quando a criança tem a oportunidade de planejar e colocar em prática por conta própria o que imaginou, ela mostra muito sobre si mesma. E a gente aprende mais com elas.

Já reparou no ritmo das brincadeiras, nos gestos, no compasso, na transformação? Leva tempo, mas o importante é olhar e tentar refletir sobre o que está acontecendo, as minucias e as expressões corporais.

Brincadeira de mamãe e filhinha é uma das prediletas, seja com famílias de pessoas ou de animais. Brincam de Spa, restaurante, sorveteria, astronautas, aventureiros, clubes, poções mágicas, circo, parques temáticos, hospital, Pokémon, balada etc. 





Os tecidos e as cordas (necessidade de maior atenção por parte dos adultos) são essenciais para despertar essa imaginação e criatividade. A brincadeira de casinha nem sempre acontece com os elementos de casa e sim serve como um lugar de encontro, de proteção e de experiências. A cabana, por exemplo, é uma brincadeira que está diariamente presente, seja de camping, de tecido, de blocos de madeira; construída com bancos, cadeiras, mesas, canos pvc, apresenta diferentes formas. Um espaço acolhedor com ninhos, almofadas, colchonetes, algumas sem entrada de luz para ficarem bem escuras.

Na areia a diversão está por conta das possibilidades que  criam: cavam, amontoam, constroem vulcões, aeroportos, restaurantes, comidinhas, desafios etc. Usam folhas, flores, pedrinhas, brinquedos específicos para areia, sucata, coisas de cozinha e algumas vezes usam o brinquedo da sala.







Para determinado grupo de meninos o futebol é a principal fonte de diversão, algumas vezes deixam-no de lado e experimentam brincar de outras coisas mostrando todo seu potencial inventivo e o jogo simbólico aparece. 
Se pendurar em diversos lugares do brinquedão é algo muito presente, uma necessidade corporal. Inventam muitas formas de subir, girar e chegam a criar desafios com tecidos e cordas amarradas. De vez em quando também prendo um elástico grosso em algum espaço do parque criando uma "cama de gato", pura diversão!

No escorregador a diversão fica por conta de escorregar em caixas de papelão, tábuas de carne, tecidos, caixas plásticas, pneus e até uma banheira plástica. Colocam areia, água e outros obstáculos, além de utilizá-lo como rampa para dar impulso em alguns objetos como bolinhas e pneus.

Nesse mesmo espaço, acontecem shows com instrumentos adaptados do parque, palco, bilheteria, várias descobertas de sons e ritmos.
O desenho e a escrita fazem parte do brincar: registram ideias, fazem placas, pedidos, anotações e bilhetes. Criam brincadeiras e enredos no próprio papel.
Às vezes estão tão envolvidas que não gosto de interromper, então aviso aos poucos que dali algum tempo precisarão guardar. Também "congelamos" a brincadeira se existe a possibilidade de voltarmos para o espaço.



Brincar com água, pegar terra na horta, capturar insetos e deixar a água no sol para esquentar, são ações que acontecem com frequência. Se mostram curiosas, valentes ou medrosas em relação aos insetos que aparecem, querem florzinhas, galhos e folhas de plantas para embelezar seus bolos e alimentos de areia. Esses dias se maravilharam ao observar um pássaro que nos visitou com uma bela cantoria.

Todos podem brincar de tudo e é incrível observar os meninos passando por um momento onde brincam apenas com bichos de pelúcia, também teve a fase das fantasias de princesa. Sim, eles já sabem que brincadeira não tem idade, nem gênero. Podem experimentar a vontade sem nenhum olhar adulto que os intimidem.

As crianças dessa faixa etária quando têm a oportunidade de brincar livremente, me mostraram o quão potentes são, se as deixarmos criar e estarmos presentes para apoiá-las em ideias que precisam de ajuda para concluí-las. Tem sido uma bela experiência acompanhar esse brincar no FI.


A brincadeira é um fenômeno cultural que sintetiza os valores do grupo no qual se desenvolve. É impossível apontar claramente onde, quando e como ela surgiu. O certo é que pode ser encontrada em todos os grupos sociais. Sua essência é a espontaneidade e, seu teor, a liberdade(Fonte: http://www.cartaeducacao.com.br/aulas/fundamental-1/a-brincadeira-%E2%80%A8e-livre/ )

O educador precisa conhecer bem cada criança, saber como é em casa (parceria com a família), na sala de aula (parceria com a equipe) e se abrir para conhecê-la profundamente criando um vínculo de confiança. Nessa idade já estão construídos muitos estereótipos e preconceitos.

Mantenha-se disponível, interessado e com olhar pesquisador. Costumo dizer que o primeiro passo para ser um professor inovador é renovar seu olhar: o professor é mediador da aprendizagem, a criança a potência do projeto pedagógico.

Acredite na essência da criança, não direcione, escute, observe, esteja junto, deixe acontecer sem saber no que vai dar. Mergulhe junto na imaginação! Você vai se surpreender, entregue-se! Viva essa experiência plena. O adulto que sabe brincar (respeitando sem direcionar) quebra barreiras na relação professor-aluno. A criança passa a confiar mais no adulto e nela mesma. 

Quanto mais o adulto tiver contato com seu interior, retomar suas memórias de brincadeiras e sensações, poderá se tornar mais sensível a esse mundo simbólico infantil conseguindo abrir e colaborar com esse campo da criança.

Certo dia, um grupo de meninas solicitou a câmera fotográfica e uma de nós professoras entregou para ver como utilizariam. Criaram filmes, stop motion, histórias incríveis sem nunca termos ensinado nada disso, podem ter aprendido em outro espaço direcionado, mas aqui colocaram em prática com toda autonomia. Olha que potência! Precisamos dar visibilidade! 


Brincar com armas, sentir medo, colocar-se em risco, se sujar... é bem polêmico, mas essencial de se vivenciar na infância. Enfrentar o sucesso e o fracasso, se fortalecer. As crianças precisam sim de segurança, mas sem excesso, sem superproteção. Portanto, devemos considerar o que pode ser benéfico ( que pode fazer parte do repertório de brincadeiras) e apropriado para idade, e o que não for precisa da intervenção do adulto. É possível observar que quando a criança sente medo e avalia que não consegue, ela desiste ou chama um adulto para ajudá-la e cada vez mais vai desenvolvendo sua consciência corporal.

Nós sabemos que as crianças criam armas com qualquer objeto, o próprio corpo em combate, sentir o bem e o mal, sentir-se herói, poder transgredir regras, morrer, matar, viver, reviver. O medo inibe o brincar, deixe-a sentir medo, descobrir seus limites e capacidades, lidar com essas situações.

  • Quando o risco vale a pena
https://www.youtube.com/watch?time_continue=38&v=DCULd07RzpQ
  • A criança que se sente capaz
https://www.youtube.com/watch?time_continue=3&v=viEiCB5zFGM


Penso sobre a importância da criança observar o dia-a-dia na escola, os diferentes cargos, as pessoas trabalhando, o que elas fazem, como fazem. Não precisa chamar o jardineiro para dar uma oficina ou ensinar algo, que tal ele fazer um trabalho no horário em que as crianças possam observar espontaneamente? Elas aprendem observando os gestos, elas imitam. 

Quando precisei dar um "tratamento" nas nossas jardineiras, separei os materiais e as crianças já perceberam meu movimento, começaram a observar, ver o que eu estava preparando e rapidamente me perguntaram "Posso ajudar?","Também quero!","O que você vai fazer?". E assim outras crianças foram se aproximando, todos participaram sem eu chamar, um pouco de cada vez de acordo com o interesse, eu não ensinei como fazer, eles me pediam orientação. Colocar a mão na terra e mexer com plantas é algo que elas buscam demais.

É preciso considerar a necessidade de trazer os elementos da natureza para os espaços que não têm essa condição, possibilitando novas experiências e conhecimentos sobre o mundo. Brincar com água, areia, terra, vento, plantas, flores, sol, chuva.


As crianças buscam suas matérias primas, seja na natureza ou fora dela, se lançam a procura de materiais para dar forma as suas ideias. Um lugar cheio de possibilidades com sucata, materiais não estruturados e materiais artísticos, abrem belos caminhos de invenção. Elas são perspicazes, enxergam além de nós adultos. Criam diversas propostas entre elas mesmas e ensinam umas as outras, por exemplo, fazem pipa com canudo, palito de churrasco, papel, durex, barbante e colocam-na para voar do jeito delas. É uma alegria dar vida as suas ideias!





Essa observação minuciosa e investigativa do brincar no cotidiano, a escuta ativa de cada criança, faz cada vez mais nos questionarmos sobre o que oferecemos, sobre o que é realmente importante se elas aprendem o tempo todo com tudo que fazem. Devemos refletir sobre o que propomos de tempo, espaço, materiais, desafios, currículo. Será que a escola valoriza e investe nesse brincar livre?


Brincar livre é brincar por brincar, com fim em si mesmo.



"O que é brincar? Por que é importante brincar?" 





Confira mais fotos no instagram: www.instagram.com/culturainfantil