quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

LUZ E SOMBRA: experiências, hipóteses, descobertas e mais perguntas.

A primeira vez que trabalhei com esse tema tive como referência o livro "Luz, Cores e Sombras", da Abramundo. Depois conheci o trabalho desenvolvido nas escolas de Reggio Emilia e tentei unir as duas práticas desenvolvendo um projeto com crianças de 6 anos do período complementar (FI) em 2014.

Desde bem pequena, quando a criança vê pela primeira vez sua própria sombra, ela já começa a investigar o que é aquilo que a persegue e até assusta, que copia seus movimentos, uma curiosidade natural das próprias observações. Existem vários vídeos que mostram esse processo, confira o link https://www.youtube.com/watch?v=G4aTw-zEJZ8 . E assim a curiosidade, em relação a esse fenômeno quase mágico, continua durante toda educação infantil e início do fundamental I.

A intenção desse trabalho é questionar, investigar, experimentar e brincar. Trocar conhecimento e observar para tentar criar hipóteses. Mais do que respostas, esse projeto provoca mais perguntas.

Trabalhei com um conteúdo bem diverso para que as crianças percebessem: como as sombras se formam, como a luz interage com os objetos e materiais, qual é a diferença da luz natural e da luz artificial; que as cores, sombras e reflexos podem se alterar dependendo da interação dos materiais ou da luz; que há objetos que enxergamos no escuro outros apenas com luz, que diferentes materiais provocam diferentes resultados, que existe sombra mais ou menos intensa, que alguns componentes podem interferir na projeção da sombra, que há diferenças entre mistura de cores com a luz e com a tinta, quais os fenômenos naturais ligados a luz...entrando em contato com conhecimentos científicos, aprendendo a nomear algumas características e procedimentos das experiências e seus materiais.

O livro Crianças, Espaços, Relações - como projetar ambientes para educação infantil (a minha edição é em espanhol, p. 46 a 58); conta um pouco sobre a importância do trabalho com a luz na abordagem Reggiana.

O trabalho com a luz comtempla três dimensões perceptivas: a visibilidade, a imagem estética e a sensação da passagem do tempo.
A luz também nos remete as emoções: euforia, medo, indiferença etc. Dependendo de como o ambiente é iluminado.
Tanto a luz artificial quanto a natural, são importantes e distintas. Uma nos diz sobre o dia, o tempo, a outra é facilmente manipulada e transformada, assim as crianças podem produzir novas configurações estéticas.
É possível trabalhar com a variação de tipos de sombras a depender da fonte de luz, da disposição dos objetos e das características do ambiente: cores quentes e frias, monocromática ou policromática, composições de acordo com a posição da fonte de luz, geometrias e texturas de acordo com o que o ambiente interno sugere, translúcidas, homogêneas, desordenadas, modelada etc.

As crianças se mostraram muito felizes nessa exploração. Elas tiveram a oportunidade de conferir, brincar, criar e aprender sobre algumas relações entre luz e sombra.

Trabalharam com teatro de sombra, lanterna, pega-pega sombra, desenho da sombra no chão, experiências com as cores e muitas outras propostas não contempladas aqui.


Fotos de algumas propostas com o retroprojetor...





























3 comentários: