segunda-feira, 27 de outubro de 2014

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: O papel do ateliê na educação infantil


Autores (org): Lella Gandini, Lynn Hill,
Louise Cadwell e Charles Schwall
Editora: Penso


"O ateliê deve ser principalmente um local agradável (nas palavras do próprio Malaguzzi) em que as crianças tenham prazer de estar, pensar, imaginar e agir- enfim, ter prazer na produção de saberes, na descoberta e na invenção."  (Prefácio à edição brasileira, Ana Lúcia Goulart de Faria)


O livro relata a experiência dos ateliês da abordagem de Reggio Emília em diálogo com outra cultura, mapeando a transformação enriquecedora de implementar essa prática italiana em creches e escolas dos Estados Unidos. 

Apresenta todo processo unindo teoria, prática e reflexão. Inclui entrevistas e relatos dos envolvidos e do grupo de pedagogos italianos que foram protagonistas dessa pedagogia.

Esta obra é essencial para compreender melhor qual o conceito de ateliê, como ele funciona e o que fazem os atelieristas, trazendo também particularidades da prática e ideias de projetos.

Se há interesse em trabalhar inspirado nessa abordagem, pode ser um bom caminho para começar e se já trabalha, para rever sua prática. 

Um convite a um novo olhar, cheio de descobertas e de muita reflexão. Boa leitura!

sábado, 11 de outubro de 2014

GILDO E OS AMIGOS no banho, na piscina, no balde, na água!

 
   Autora e Ilustradora: Silvana Rando
   Editora: Brinque-Book
 
 
Essa é uma coleção encantadora! São três títulos com textos e momentos na maioria das vezes conhecidos pelas crianças: a escola, o jardim e a praia. O simpático elefantinho compartilha momentos de diversão com os amigos em diferentes lugares.
 
Nas três histórias Gildo encontra os amigos, eles se divertem e vão embora juntos. Há uma estrutura na qual as crianças podem notar e antecipar, pois Gildo sempre encontra os amigos na mesma ordem:  primeiro Paulo, depois Verinha, João e por último Catarina. O texto também repete o nome de todos os personagens a cada um que surge e ao término da história.

Essa estrutura contribui para melhor memorização e compreensão do texto, assim as crianças começam a participar mais dos momentos de leitura e até imitar o adulto como se estivessem lendo (o que normalmente já acontece) apoiando-se na repetição desses elementos.
 
O livro é feito de plástico, então é possível levar Gildo no banho, na piscina, na praia, no parque, na água...
  
 
  
Você conhece a primeira história de Gildo lançada em 2009?
 
 
Gildo é muito corajoso, mas existe uma coisa que o deixa apavorado: a noite anterior a uma festa de aniversário! Porque será?
 
Este livro é muito bacana para conversar com as crianças sobre o medo. Trata de maneira simples este assunto que é muito comum entre os pequenos.
 
Ao ler essa história as crianças se sentem a vontade para falar sobre seus medos e como lidam com eles.
 
As ilustrações são cativantes e divertidas, foram premiadas pelo Prêmio Jabuti de literatura infantil em 2011.
 
 
 
 


quinta-feira, 2 de outubro de 2014

MONSTROS URBANOS

*Experiência apresentada no VIII Congresso ICLOC em 2016.


Autora: Renata Bueno
Ilustradora: Renata Bueno
Editora: WMF Martins Fontes




Em 2014, um livro chamado "Monstros urbanos" captou minha atenção pela capa, o avistei pela primeira vez em uma livraria como destaque de lançamento. Apanhei-o para folheá-lo e a para minha surpresa tratava-se de intervenções em fotos de paisagens urbanas que me lembravam a arte urbana que tanto admiro. Conferindo a editora, aproveitei a parceria com o blog e solicitei um exemplar para conhecer melhor. Ideias já brotavam na minha cabeça ...

A cada página o desejo de ver a próxima imagem, de descobrir outro monstro, de conferir a criatividade da autora Renata Bueno e identificar o local da foto (chão, parede, rua etc). Me encantei com o livro e agora vejo monstros o tempo todo.



O livro descreve a trajetória da autora e como ela desenvolveu esse belo trabalho, parte essencial para compreendê-lo. Me apaixonei por ele! E quando gosto muito de algo sempre faço uma relação com as crianças e levo para escola, dessa vez não foi diferente.

Apresentei o livro (título, autora e editora) e li o texto que conta o processo de criação. Conversamos sobre o título, pois não sabiam o que significava a palavra "urbano" e tentaram adivinhar por meio da capa o que o livro nos apresentaria, também perguntaram se era uma história. Quando comecei a folheá-lo as crianças perceberam que não havia uma narrativa e sim muitas imagens. Uma criança também fez relação com o grafite, arte urbana.

Pronto! Conferimos todas as páginas!

Instiguei as crianças a adivinharem de quais lugares da cidade eram as fotos. Me surpreendi com a reação deles: ofegantes e entusiasmados, alguns pareciam estar em uma montanha russa tamanha gritaria ao se surpreenderem com cada virada de página, outra criança ficara ao meu lado ansiosamente esperando a próxima página tocando no canto da folha, enquanto outras se esforçavam para analisar os locais em que as fotos foram tiradas e como se organizava aquele monstro na página.

Terminada a apreciação o livro ficou disponível na sala. Pensei em organizar uma saída com o grupo pelas calçadas ao redor da escola e deu certo! Fotografamos e depois trabalhamos no computador criando cada um seu monstro.


Também fui informada pela bibliotecária que a autora Renata Bueno foi ex-aluna da escola e se disponibilizou para uma conversa com o grupo, aproveitamos e montamos uma exposição com as produções para conversarmos sobre a experiência de conhecer o trabalho dela e produzir monstros.

 

No ano de 2016 a autora publicou uma versão francesa desse livro e com um destaque sobre esse projeto. Foi uma honra!